maximizar o prazer de uma mulher ao ter sexo

Como fomentar o orgasmo de uma mulher ao ter relações sexuais

Um guia para quebrar todos os tabus e alcançar aquele intenso sentimento de prazer durante a relação sexual.

A absoluta falta de prazer debaixo das folhas é um problema muito mais comum do que você pode imaginar. A grande questão é que este não é um daqueles problemas que as mulheres estão habituadas a partilhar, mesmo apenas no grupo de amigos mais próximos. E talvez seja por isso que o problema persiste por tanto tempo. “Mesmo com uma relativa modernização dos fatos, o sexo continua a ser tabu para muitos. Dependendo de como uma mulher foi criada na sua infância, teremos uma pessoa que ou é auto-confiante ou tem problemas sexuais graves”, diz a Sex Trainer Morgana.

Um treino mais rígido pode ser um obstáculo ao pleno gozo do prazer, pois leva-nos a formar na mente, a ideia de que o sexo é algo sujo ou vergonhoso. Portanto, o primeiro passo para rever o jogo é rever estes conceitos. É necessário que a mulher se permita desfrutar, aceitar sua condição feminina e injetar para ver a sexualidade como algo muito natural, como comer e dormir”, diz Morgana.

Problemas emocionais

Outros fantasmas da infanidade também podem zumbir ao redor da cama e impedir o pleno gozo do sexo. Surpreendentemente, a relação com o pai durante os primeiros anos de vida pode continuar a afectar a actividade sexual da mulher até muitos anos mais tarde.

Todos estes problemas emocionais podem ter consequências na cama. Felizmente, nestes casos, a terapia sexual muitas vezes traz bons resultados. O tratamento também funciona para ajudar a arejar alguns problemas frequentes que podem afectar muito a qualidade do sexo, tais como não aceitar o seu corpo, baixa auto-estima, hiperactividade, ansiedade e stress. Este último factor, em particular, pode ser considerado um inimigo número um! O stress é um dos maiores inimigos do orgasmo feminino. Quanto mais stressada for uma mulher, menos ela se concentra na actividade sexual, menos ela relaxa durante a foda e, como resultado, mais difícil será para ela ter prazer.

Conhecer o próprio corpo é fundamental

Os fatores emocionais à parte, tocar o próprio corpo para conhecer as próprias zonas erógenas ajuda muito quando o objetivo é garantir a máxima satisfação na cama. A sensação de prazer é individual, e o corpo inteiro é erótico. Portanto, é essencial que as mulheres se sintam confortáveis para encontrar todos os pontos do seu corpo que as possam excitar.

[]Especialistas indicam que este processo de autoconhecimento injecta-se com uma exploração visual da vagina, usando um espelho. Depois, você começa a jogar com ou sem o uso de acessórios, como vibradores. A masturbação é um facilitador do orgasmo. Ao masturbar-se, a mulher percebe não só onde gosta de ser tocada, mas também como gosta de ser acariciada pelo seu parceiro.

Um canal aberto de comunicação entre o casal facilita a resolução de outras questões que não têm relação direta com a atividade sexual, mas que podem afetá-la. Uma mulher está em uma relação conflituosa, que se sente mal amada ou pensa que seu parceiro não é atraído por ela, por exemplo, pode ter mais dificuldade na cama.

Finalmente, é essencial que, no quarto, o casal se sinta confortável para criar e compartilhar as mais diversas fantasias. “Quanto ao orgasmo, é a teoria dos dois F, eu explico às mulheres que frequentam o meu estúdio. Estamos a falar de clonagem e fantasia. Eu defendo que tão importante quanto o próprio contato físico, o estímulo físico, é o estímulo mental, através de fantasias envolvendo sexo. É a cabeça que permite o abandono total, essencial para alcançar o prazer ao seu mais alto nível”, diz Morgana. “Você tem que ter em mente que no sexo vale tudo, quando este ‘tudo’ é consensual e agradável para ambos”, acrescenta ela.

Mind en, Corpo Saudável

Outros problemas físicos, e a falta de intimidade com o corpo, podem afectar o sexo e a satisfação resultante. Alterações hormonais, por exemplo, podem levar a uma diminuição da libido, o que tem um impacto na lubrificação vaginal e na qualidade da própria atividade sexual. Os desequilíbrios hormonais que muitas vezes interferem com o prazer estão relacionados com a produção de prolactina durante a amamentação, com a diminuição do estrogénio, um problema característico do período da menopausa, ou com disfunções da tiróide. Patologias associadas como a diabetes tipo 2 também podem comprometer a capacidade das mulheres de se excitarem. Assim, ao primeiro sinal de dificuldade em atingir o orgasmo, o ideal é marcar uma consulta com o médico para ver se o corpo está em equilíbrio ou se é necessário tratar algum desequilíbrio.

Agora vai!

Alguns indicadores mais práticos também podem ajudar na hora X, tornando mais fácil relaxar e obter o máximo de prazer. Tente acreditar!

  • Invista em uma massagem relaxante: antes de fazer sexo, tente dar e receber uma massagem relaxante. Isso ajudará a estabelecer uma melhor combinação entre você e seu parceiro e aliviará alguma tensão depois de um dia cheio de desafios.
  • Tente novas posições: durante os seus jogos eróticos, tente as posições que favorecem o aumento da excitação. Uma das posições que mais favorece o orgasmo feminino é aquela em que a mulher se posiciona acima do homem durante a penetração (a posição “amaon ride” do Kamasutra). Nesta posição, o clitóris pode ser estimulado tocando a área púbica do homem.

Fortalece os músculos vaginais: quanto mais tonificada for a região, maior será a sensibilidade. Os resultados podem ser sentidos desde a primeira semana de exercício. Para os iniciantes, aqui estão três exercícios rápidos e muito fáceis de seguir.

Exercício 1: sentar-se numa cadeira (evitar as poltronas), com a coluna ligeiramente esticada para a frente, mãos nos joelhos, pés paralelos, ligeiramente afastados. Inspire, contraindo os músculos da vagina para cima (contração do elevador). Conte até 20 e relaxe os músculos, exale. Repita este exercício 3 a 5 vezes ou até 5 minutos.

Exercício 2: Fique de pé com os braços ao longo do corpo e mantenha os pés ligeiramente separados e paralelos. Inspire e contraia as nádegas, tentando apertá-las o máximo possível. Conte até dez e relaxe. Repita o exercício 3 vezes.

Exercício 3: Levante-se, contraia e relaxe seus músculos vaginais como se você estivesse pulsando. Repita 30 vezes, rápido, e relaxe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *